A vida como ela é

Aliás, é o que procuramos todos os dias por aqui: fazer o nosso melhor para retratarmos a realidade, rigorosamente como a contemplamos.

Maior Menor
Por 5 de Abril de 2017

.: A obsessão do seu escriba
.: A sua opinião
.: Boas novas
.: Afinal havia outro
.: Dois pesos e duas medidas

00:12 - A obsessão do seu escriba

Sempre fui obcecado por saber como as coisas realmente são. Cada vez que alguém me diz uma informação nova, eu vou imediatamente à wikipédia confirmar a sua veracidade (sim, sou o tipo irritante que agarra logo no telemóvel).

Mais do que qualquer estima pela realidade, a minha curiosidade advém da realização — pelo menos minha – de que não há nada além disto. Portanto, devo empenhar-me ao máximo para conhecer todas as suas dimensões.

Aliás, é o que procuramos todos os dias por aqui: fazer o nosso melhor para retratarmos a realidade, rigorosamente como a contemplamos.

Isso acarreta, por vezes, alguma aspereza, convenhamos que ser sincero tende a ser inconveniente. Vivemos bem com isso, pois a nossa missão é bastante clara: compartilhar as nossas crenças para ajudá-lo a proteger o seu património.

Se isso exige dizer o que ninguém diz e mostrar o que ninguém mostra, estamos aqui para isso.

01:22 - A sua opinião

A raison d’être da Empiricus é levar, ao maior número possível de leitores, conhecimento financeiro de forma inteligível e com qualidade.

Se conseguirmos endereçar os nossos conteúdos para as suas dúvidas, isso não só torna mais fácil o nosso trabalho como valoriza esta newsletter (e torna mais agradável a leitura).

Nesse sentido, pergunto-lhe: qual é a sua maior preocupação neste momento?

1. A fragilidade da banca portuguesa
2. A falta de alternativas aos depósitos a prazo
3. O tamanho da dívida do Estado
4. A eventual subida dos juros do seu crédito à habitação
5. Outro – envie um email com a sua opinião.

Desde já o meu agradecimento por participar.

02:33 - Boas novas

Nos EUA, o mercado continua a lateralizar, indeciso entre o que pensar da falta de visibilidade em relação às políticas de Trump e o calendário de subidas da Fed.

Nas bolsas do velho continente, o sentimento é ligeiramente negativo, mesmo depois de ter sido divulgado o PMI (indicador de vigor da indústria) mais alto dos últimos 6 anos.

Arredondando, significa que este trimestre foi o melhor da zona Euro desde 2011.

Os ventos favoráveis que sopram do centro da Europa deverão ter um impacto extremamente positivo no PIB português.

Até já estou a imaginar o Governo a atribuir o crédito todo para si.

03:09 - Afinal havia outro

Na praça nacional, leve subida em dia morno, com os títulos recomendados na série Carta Empiricus novamente a sorrirem para o investidor.

Um dos papéis já sobe mais de 7% em apenas um mês.

– Mas Pedro, isso não vai contra a vossa filosofia de pensar no longo prazo?

É um facto. Nós acreditámos nestes títulos no longo prazo exatamente pelo perfil conservador, com um bom dividendo e sem grandes oscilações nos fluxos de caixa.

Mas sabe sempre bem começar com o pé direito.

04:01 - Dois pesos e duas medidas

Eu sei que é inconveniente falar nisto, mas sinto-me na obrigação de o alertar: se segue as recomendações do seu gestor de conta, não ignore que a remuneração dele está dependente dos objetivos comerciais da sucursal e das comissões que gera — indo elas bem ou mal.

Em bom português, ele tem todos os incentivos do mundo para vender-lhe produtos do próprio banco, em que quem ganha não é o leitor.

É precisamente por isso que a CMVM exige um certificado para se fazerem recomendações de investimento — provavelmente, uma das normas mais negligenciadas do mercado português de capitais…

Pedro Gonçalves, Editor-chefe

Pedro Gonçalves foi Portfolio Manager no Millennium Investment Banking. É licenciado em Finanças pelo ISCTE – Business School e mestre em Gestão pela Universidade Católica Portuguesa. Atualmente, é editor-chefe da Empiricus Portugal.