Cimeira de emergência

Lembro-o de que o mercado é, inerentemente, um ambiente instável, onde a incerteza nunca desaparecerá. Uma floresta sujeita às intervenções do imponderável, densa e de visibilidade zero.

Maior Menor
Por 2 de Agosto de 2017

.: All aboard the hype train
.: Convexidade
.: Qualquer dia acerto
.: Navegação à vista
.: Escolha a sua

00:12 - All aboard the hype train

Conforme as bolsas alcançam novos máximos nos EUA, aumenta o número de artigos que antecipam uma reversão da tendência…

A correlação é linear perfeita.

Novo máximo, novo artigo na Bloomberg que adivinha que amanhã é que cai…

Contudo, os anos passam e o bull market segue impávido e sereno.

Por um lado, a volatilidade segue perto de mínimos, o que é um sinal preocupante.

Por outro, não existe qualquer sinal de abrandamento.

 

01:04 - Convexidade

Já escrevi aqui que não há heróis no mercado financeiro.

Também comentei que o analista financeiro que acertar no timing dessa inversão irá transformar-se numa estrela dos mercados financeiros.

Então não custa tentar.

O sujeito acorda, recebe uma chamada do chefe e escreve um artigo que aborda a questão das sobreavaliações, refere o aumento do custo de capital, descarrega na manipulação dos bancos centrais e relembra a inépcia de Trump.

Tudo pontos válidos e com os quais eu concordo.

No final do dia, olha para o painel de cotações… et voilá: o dia termina no verde.

 

02:05 - Qualquer dia acerto

Como o mercado tem memória curta, o sujeito poderá sempre tentar no final do ano ou no início do próximo…

Um dia acertará.

Enquanto isso, os investidores que estão investidos acumulam ganhos gigantescos.

Os outros que não investem em ações, sofrem para obter um retorno decente que compense a inflação.

São opções. Cada um com a sua.

03:09 - Navegação à vista

Faço esta introdução apenas para lembrá-lo de que o mercado é, inerentemente, um ambiente instável, onde a incerteza nunca desaparecerá.

Uma floresta sujeita às intervenções do imponderável, densa e de visibilidade zero.

Hoje, em particular, somos vividos pelo maior nível de incerteza da história (não é sempre assim no presente?).

Então como navegar nestes mares?

Tem duas possibilidades.

04:11 - Escolha a sua

Hipótese 1: Não investe e ignora o ruído do mercado.

Hipótese 2: Investe em boas empresas, mas protege-se de um risco de colapso – também conhecido como cisne negro.

O objetivo é um portfólio capaz de unir maior potencial e mais segurança, naquilo que Mark Spitznagel chamou de paradoxo dos retornos maiores com menor risco.

Spitznagel é especialista em tail hedging (construção de estruturas financeiras capazes de protegê-lo de eventos de cauda).

Investe, mas compra seguros para o que desconhece.

Tradicionalmente, estes seguros são representados pelas opções de venda, direitos comprados que lhe atribuem o direito, mas não a obrigação, de vender um determinado ativo, por um certo preço numa data específica.

O que explicamos ao pormenor na série Carta Empiricus.

Pedro Gonçalves, Editor-chefe

Pedro Gonçalves foi Portfolio Manager no Millennium Investment Banking. É licenciado em Finanças pelo ISCTE – Business School e mestre em Gestão pela Universidade Católica Portuguesa. Atualmente, é editor-chefe da Empiricus Portugal.