Em prol de ideias fora da caixa

Acredito honestamente que um analista financeiro tem de ser polémico. Não estou a falar em ofender ninguém. Falo simplesmente em apresentar ideias fora do consenso.

Maior Menor
Por 17 de Janeiro de 2018

.: Comunicação social
.: Fat tails
.: Lado lunar
.: Não necessariamente
.: Seguro de mercado

00:10 - Comunicação social

Durante a maior parte do século passado, os meios de comunicação social pareciam ser um negócio relativamente simples: acumular uma audiência fornecendo conteúdo. E depois vender a atenção do público aos anunciantes.

A internet e as suas derivações mudaram completamente a indústria.

De um momento para o outro, a informação passou a ser uma commodity.

Neste momento, o negócio evolui. As pessoas precisam de insights.

Acredito honestamente que um analista financeiro tem de ser polémico. Não estou a falar em ofender ninguém. Falo simplesmente em apresentar ideias fora do consenso.

01:04 - Fat tails

Refiro-me a situações que acontecem nas extremidades das curvas em forma de sino (no inglês, fat tails).

Regra geral, as pessoas assumem que o mundo é bastante “normal” (linha azul).

Quando, na realidade, eventos distantes da média (linha a tracejado) acontecem mais vezes do que supomos (linha verde). E exatamente quando ninguém está à espera.

Infelizmente, o leitor não vai ouvir sobre eles nos media convencionais. O trabalho deles está centrado na média.

A Empiricus não. Como talebianos reconhecemos que o futuro é incerto e, por isso, escrutinamos o presente em busca de proteção contra os males de amanhã.

02:09 - Lado lunar

Este meu lado cético evitou-me alguns dissabores na vida. Sobretudo, no mercado financeiro.

À medida que as bolsas sobem, as pessoas ficam menos preocupadas com o risco. Ficamos quase entorpecidos pela repetição do mesmo evento.

Vejo as cotações de hoje e “bolsas avançam apesar dos maus resultados…”; “BCE pondera subir taxas em 2019”. Bocejo. Desculpe.

Em 2008, as bolsas caíram cerca de 50% desde os seus máximos.

Se perguntasse a alguém que operava em mercados naqueles dias, o mundo não podia ser melhor…

Praticamente dez anos depois, preferimos ignorar a ciclicidade do mundo e resolvemos esquecer a lei da gravidade.

03:12 - Não necessariamente

Faço uma ressalva: não vai ser amanhã (até pode). Ninguém sabe ao certo.

De facto, até é mais provável que continue a subir… momentaneamente, o efeito manada é mais poderoso do que as leis de Newton.

Se juntarmos a falta de alternativas de investimento à mão visível dos bancos centrais na maior manipulação financeira da história, então os fundamentais serão ignorados durante mais algum tempo…

Tudo opera para disfarçar os sinais económicos de desgaste do ciclo económico.

04:02 - Seguro de mercado

Quedas no mercado de mais de 20% acontecem (quase) sistematicamente perto de uma recessão…

Assim, analistas avaliam constantemente sinais na atividade económica, pois a antecipação de uma recessão poderá salvar as carteiras dos seus clientes de perdas avassaladoras.

Também sabemos que os economistas previram com êxito 7 das últimas 3 recessões…

Isto é, eles erram mais do que acertam… não há como ter garantias.

A única forma de estar no mercado é completamente investido, mas carregando seguros contra uma catástrofe.

Pedro Gonçalves, Editor-chefe

Pedro Gonçalves foi Portfolio Manager no Millennium Investment Banking. É licenciado em Finanças pelo ISCTE – Business School e mestre em Gestão pela Universidade Católica Portuguesa. Atualmente, é editor-chefe da Empiricus Portugal.