Eu errei

Vitória do Brexit. Eu errei. Como toda a gente. Eu não estava à espera deste resultado. Nem os mercados.

Maior Menor
Por 24 de Junho de 2016

.: Ninguém viu isto
.: O princípio, não o fim
.: Agora vai começar
.: Investidor inteligente
.: Calma nessa hora

00:09 - Ninguém viu isto

WOW! Vitória do Brexit.

Eu errei. Como toda a gente. Eu não estava à espera deste resultado. Nem os mercados.

Nas casas de apostas, onde os próprios britânicos votam com o seu dinheiro, as odds davam como certa a vitória do Stay.

Todos os agentes económicos acreditaram que os insulares iriam seguir um velho axioma anglo-saxónico: put your vote (mouth), where your money is.

É por isso que as bolsas tombam enquanto escrevo estas linhas. É, também, por isso que a libra despenca para o valor mais baixo dos últimos 31 anos.

É isto que deve fazer agora:

Não entre em pânico. Mantenha a calma. Respire fundo se precisar.

Ainda pode ser cedo, mas fique atento a oportunidades.

01:19 - O princípio, não o fim

A primeira coisa que deve pensar, enquanto olha para o monitor, é que o Brexit não é necessariamente o fim das relações com a União Europeia.

É mais o início das negociações.

A população britânica apenas disse que não quer pertencer à União Europeia no formato atual.

A afluência às urnas foi boa e a vitória é da Saída. Não há dúvidas em relação a isso. Mas foi um resultado apertado – 52/48.

Se tivesse acontecido há uma semana, quando as sondagens apontavam este corolário. Hoje a manchete seria: “O Brexit ganhou”, mas só isso…

Em vez, do atual: “OMG! O Brexit ganhou e é o fim do mundo”.

O mercado está a pagar o preço de ter tentado antecipar (erradamente) o resultado do plebiscito.

M5M240616_1

02:22 - Agora vai começar

Antes de acontecer alguma coisa, alguém tem de invocar o artigo 50, procedimento formal para abandonar a UE. O que quase de certeza vai exigir uma votação no parlamento.

Depois disso, mesmo se invocarem o artigo 50, terão pelo menos dois anos em que tudo permanece praticamente na mesma…

O que eu quero dizer é: ninguém (parlamento e Europa) vai saltar de imediato para a separação, simplesmente porque os eleitores o pediram.

A política é a arte de postergar. E este é o resultado ideal para empurrar com a barriga.

Como as negociações vão ser conduzidas vai começar a tornar-se mais claro ao longo do dia.

Por um lado, David Cameron já renunciou.

Por outro, não me surpreenderia se houvesse um segundo referendo num futuro próximo. Não existe um pró-forma para estas situações.

Entretanto, há uma eleição em Espanha este domingo.

Veremos como nuestros hermanos reagem a esta nova realidade.

03:22 - Investidor inteligente

Do ponto de vista do investidor, acho que faz sentido preparar a sua cabeça para entrar em modo “comprador”.

Esta semana, os mercados excitaram-se demais com a possibilidade da vitória do Stay. A libra disparou e as ações recuperaram.

Hoje, a libra esterlina entrou em colapso e os mercados abriram em forte baixa. Mas uma boa parte será a exuberância a ser expurgada do preço.

É verdade. O movimento na libra é histórico. E eu detestaria estar do lado contrário (-7,5% na sessão de hoje).

Mas no início da semana passada, a libra estava perto dos 1,40USD. Hoje cai para 1,39 USD. Desse nível, a queda de hoje não seria tão grave.

M5M240616_2

Quanto ao FTSE 100, que afunda 4%, sobretudo nas multinacionais, a queda é sobretudo pela incerteza. Uma grande parte dos lucros destas empresas são em dólares e, portanto, uma libra fraca é até favorável.

04:01 - Calma nessa hora

Além disso, se o Brexit não significar mais nada, ele certamente garante que a política monetária vai continuar flexível. Os mercados vão responder a isso.

O que eu gostaria de lhe dizer é que, se decidir comprar ou vender qualquer coisa hoje, mantenha um olhar atento sobre a execução – coisas como os spreads podem estar mais largos do que o habitual.

O mais importante é manter a cabeça fria. Esta é a primeira reação de pânico – vender primeiro, depois pensar.

Mas os mercados não são nada além de oportunistas. Assim que as probabilidades são recalculadas e os investidores obtêm controlo mais uma vez, haverá um período de calmaria.

Não será certamente no curtíssimo prazo.

É impossível adivinhar movimentos na bolsa no meio de eventos tão disruptivos. Pense no longo prazo. O mundo não acaba amanhã.

Pedro Gonçalves, Editor-chefe

Pedro Gonçalves foi Portfolio Manager no Millennium Investment Banking. É licenciado em Finanças pelo ISCTE – Business School e mestre em Gestão pela Universidade Católica Portuguesa. Atualmente, é editor-chefe da Empiricus Portugal.