A importância da convicção

É por isso que é importante construir um portfólio diversificado com bons ativos, que se manterão seguros mesmo que aconteça um terramoto no mercado.

Maior Menor
Por 25 de Julho de 2017

.: Dr. Doom
.: Sabe bem acertar
.: Não somos modestos
.: Prognósticos só no fim do jogo
.: Anti-terramoto

00:10 - Dr. Doom

Antes de rebentar a bolha imobiliária de 2007-2008, um professor da universidade de Nova Iorque, Nouriel Roubini, alertou repetidamente sobre o iminente colapso.

Roubini tinha avisado sobre o problema num documento escrito em 2006 que, na altura, lhe valeu a alcunha de Dr. Doom.

Foi um daqueles raros momentos em que a bola de cristal funcionou…

Com o desenrolar da crise, Roubini tornou-se uma estrela mundial da Economia.

Atravessou o mundo, deu palestras em conferências financeiras, tornou-se convidado habitual das reuniões dos principais bancos centrais…

Aposto que a sua conta bancária também aumentou.

 

01:22 - Sabe bem acertar

O leitor conhece a sensação. Talvez tenha adivinhado quem seria o campeão nacional no início da temporada. Possivelmente, até previu que Trump iria ganhar as eleições norte-americanas.

Quando olha para trás e toma consciência que estava certo.

Não consegue ficar indiferente.

Nos mercados financeiros, esse tipo de acerto pode traduzir-se em muito dinheiro.

01:44 - Não somos modestos

Uma coisa é certa, o cérebro humano não foi construído para sermos modestos.

Nós tendemos a focar-nos nas previsões que acertamos, mas a eliminar todos os palpites errados.

Convenhamos que não merece muito crédito pela sua previsão sobre o vencedor da Liga Nos. Uma lesão, um penalty ou um fora-de-jogo mal assinalado poderiam ter mudado o resultado.

Já se esqueceu dos outros anos em que não acertou?

Pior ainda, muitos assumem que tinham feito uma previsão que não fizeram…

Por mais voltas que dê. Quando há dinheiro envolvido, não há como escamotear a verdade. Ou ganhou ou perdeu. Não há mas, nem meio mas.

Esse tipo de transparência é raro entre as pessoas que estão dispostas a fazer os grandes calls

Roubini, por exemplo, tem muito estilo, mas pouca substância. Pouco antes do S&P ter afundado até aos 666 pontos (o mínimo de 2009).

Roubini garantiu que a bolsa não ficaria por ali e que poderia afundar muito mais. Em vez de cair 20%, conforme o previsto por Roubini, a bolsa disparou 49% nos 12 meses seguintes – uma das maiores altas anuais na história da bolsa.

03:00 - Prognósticos só no fim do jogo

Grandes investidores que fazem previsões audaciosas são transformados em heróis de Wall Street.

O problema é que eles raramente acertam duas vezes…

John Paulson ganhou 5 biliões em 2008, apostando corretamente contra o subprime… Mas desde então só teve anos desastrosos.

George Soros conquistou ganhou um bilião quando acertou um short da libra britânica.

Entretanto, estima-se que perdeu o mesmo valor numa operação especulativa durante as eleições norte-americanas.

04:33 - Anti-terramoto

Em janeiro passado, um analista do Royal Bank of Scotland avisou todos os seus clientes para “venderem tudo”.

Nem preciso dizer que estava completamente errado: as bolsas ainda há pouco tempo fizeram máximos.

Esta história serve para mostrar que os investidores não devem fazer grandes alterações na sua carteira com base numa única previsão.

Para construir uma riqueza real e duradoura, através de um portfólio que paga bons dividendos deve-se concentrar no que importa.

O que verá é que muitos fatores influenciam o comportamento dos mercados.

É, portanto, impossível garantir que o mercado vai nesta ou naquela direção. Por isso não vamos. Alguns movimentos simplesmente não podem ser previstos – cisnes negros.

É por isso que é importante construir um portfólio diversificado com bons ativos, que se manterão seguros mesmo que aconteça um terramoto no mercado.

Pedro Gonçalves, Editor-chefe

Pedro Gonçalves foi Portfolio Manager no Millennium Investment Banking. É licenciado em Finanças pelo ISCTE – Business School e mestre em Gestão pela Universidade Católica Portuguesa. Atualmente, é editor-chefe da Empiricus Portugal.