Não faça como Wilt Chamberlain

Apesar dessa marca histórica, Wilt nunca mais fez esse tipo de lançamentos porque nas suas palavras: “Senti-me ridículo. Eu sei que os melhores da história fazem assim. Eu simplesmente não consigo”.

Maior Menor
Por 4 de Maio de 2017

.: Momentos na vida
.: Chamberlain
.: Incapazes de compreender
.: Que Valuations
.: Na bolsa hoje

00:12 - Momentos na vida

Há momentos na vida em que os seres humanos estão tão enamorados com as aparências – cegos pelos seus egos – que não consideram corretamente as consequências das suas ações.

Rick Barry – campeão da NBA com o Golden State Warriors – alcançou durante a sua carreira a melhor percentagem da história da modalidade nos lançamentos da linha de lance livre porque encestava “à padeiro”.

Wilt Chamberlain marcou 100 pontos num único jogo, o que até aos dias de hoje continua a ser um recorde. Menos mediático é o facto de nesse mesmo jogo ter feito 28 lançamentos da linha de lance livre (também é um recorde).

Na sua carreira, Chamberlain tinha uma média de acerto neste tipo de lançamento de 51%. Nesse jogo, no entanto, ele acertou 88% dos lançamentos.

Não foi por acaso. Chamberlain decidiu fazer os seus lançamentos “à padeiro” — o único jogo em que o fez na sua vida.

01:09 - Chamberlain

Apesar dessa marca histórica, Wilt nunca mais fez esse tipo de lançamentos porque nas suas palavras: “Senti-me ridículo. Eu sei que os melhores da história fazem assim. Eu simplesmente não consigo”.

Se Chamberlain tivesse ignorado o que os outros acham acerca de lançar “à padeiro”, seria, provavelmente, o melhor marcador (em média) da história da liga.

Mas o seu ego impediu-o de fazer aquilo que seria melhor para ele.

O que quero dizer com isto?

Vamos por um momento considerar que o Rick e o Wilt refletem o consenso das práticas de investimento.

O mercado norte-americano encontra-se com valuations raramente vistos na história e que, historicamente, foram acompanhados por terríveis correções.

02:10 - Incapazes de compreender

Investidores – incapazes de compreender os riscos – parecem ansiosos para inflar ainda mais o preço das ações.

Embora a “ganância seja boa” (como diz Gordon Gekko), tentar apanhar centavos à frente de um rolo compressor pode ser arriscado para a sua saúde (e carteira).

Se os investidores se vão manter “comprados” porque acreditam que osvaluations se podem manter elevados e que as políticas pró-crescimento de Trump podem estender o ciclo económico por mais alguns anos, isso é bastante especulativo e arriscado.

No entanto, existe uma grande maioria que não compreende a magnitude de risco presente no mercado e está apenas a seguir a manada.

03:04 - Que Valuations

Não há dúvidas que o mercado conseguirá subir mais para valuations ainda mais extremos. Contudo, também existe uma evidência histórica muito forte de que este acaba sempre por normalizar para valuations “mais razoáveis”.

O leitor pode atirar “à padeiro”, diminuir a sua exposição ou focar a sua atenção em empresas que não passam de moda. Ao invés, pode continuar a seguir cegamente as ações da moda (que serão as primeiras a cair em caso de correção).

Os media, o seu corretor ou os seus amigos vão “aconselhar-lhe” as empresas mais hot do mercado.

Porém, existem alturas em que deve pôr de lado o seu ego e jogar da forma que sabe que pode ganhar.

O Diogo procura exatamente esse tipo de ações n’As Melhores Ações da Bolsa.

04:05 - Na bolsa hoje

No mercado europeu, o debate Macron-Le Pen pendeu para o lado do centrista e investidores voltam a entrar com força. Bolsas em alta, bunds e ouro em queda.
O motivo de satisfação é a mais que provável vitória de Macron no próximo fim de semana. Um problema resolvido. Venha o próximo.

Entretanto, o crude cai a pique e já negoceia bastante abaixo dos 50 dólares – aposto que não sentiu nada na bomba de gasolina (agradeça ao governo).

Todavia, as petrolíferas continuam a beneficiar do bom momento do mercado e passam incólumes a esse fenómeno (Galp está positiva).

Vamos ver durante quanto tempo.

P.S.: A Empiricus assinou uma parceria exclusiva com Jim Rickards para trazer a Portugal Strategic Intelligence. Neste serviço exclusivo, Jim Rickards põe à disposição dos seus seguidores todo o conhecimento que obteve após 35 anos de trajetória em Wall Street, como consultor da CIA e na consultoria ao governo dos Estados Unidos. Rickards tem uma rede imponente de contatos que lhe permite ter informações a que um cidadão regular nunca poderia aceder e mantém uma vigilância permanente nos mercados de anomalias que lhe permitem detetar futuras crises.

Pedro Gonçalves, Editor-chefe

Pedro Gonçalves foi Portfolio Manager no Millennium Investment Banking. É licenciado em Finanças pelo ISCTE – Business School e mestre em Gestão pela Universidade Católica Portuguesa. Atualmente, é editor-chefe da Empiricus Portugal.