Ninguém se entende no mercado

Existe um debate no mundo das finanças para o qual parece não existir um consenso. Falo, obviamente, da hipótese de mercados eficientes.

Maior Menor
Por 16 de Fevereiro de 2018

.: Mercados eficientes
.: Sacar comissões
.: Bater o mercado
.: Momento crítico
.: Vontade de comprar

00:12 - Mercados eficientes

Existe um debate no mundo das finanças para o qual parece não existir um consenso.

Falo, obviamente, da hipótese de mercados eficientes.

Ou seja, será que o preço de um determinado ativo reflete toda a informação disponível sobre ele e, portanto, a sua cotação espelha o seu justo valor?

Dito de outra forma: será que o preço da Apple reflete toda a informação pública sobre os seus produtos, resultados esperados, crescimento e os vários riscos da empresa?

01:03 - Sacar comissões

A discussão é inflamada porque a informação tem grandes implicações para os investidores.

Se os mercados são completamente eficientes então todos aqueles que procuram retorno no mercado deveriam optar pela estratégia de investimento passiva.

Refiro-me concretamente aos ETF’s que replicam a performance da bolsa.

Ou, analogamente, se todos os retornos convergem para a média, então é impossível bater o mercado de forma consistente e os fundos geridos ativamente só servem para sacar comissões aos investidores…

02:20 - Bater o mercado

Os defensores da hipótese de mercados eficientes argumentam que não existe valor na gestão ativa, já que é impossível bater o benchmark.

Do outro lada da barricada, garantem que existem disparidades entre o preço e o valor justo por causa dos vieses comportamentais.

A minha intuição diz-me que a verdade estará algures no meio.

Os mercados não são completamente eficientes, nem são estupidamente ineficientes. Com efeito, estes são ineficientes o suficiente para investidores talentosos e trabalhadores serem compensados pelo seu esforço, custo e risco.

Porém, são eficientes o suficiente para desencorajarem os maus gestores.

Logicamente, faz com que estes últimos existam em maior número que os primeiros.

03:01 - Momento crítico

Neste momento, as bolsas atravessam um momento crítico…

No passado, as más notícias demoravam algum tempo a serem digeridas pelo mercado. Em média, eram precisas duas a três semanas para o mercado assimilar eventos imprevistos e recuperar…

Hoje em dia demora poucas horas… se tanto.

Um choque de volatilidade que espoletou uma venda eletrónica desenfreada foi quanto bastou para o mercado entrar em pânico. Agora que o sentimento amainou, quer tudo saber se não é hora de voltar a entrar.

04:10 - Vontade de comprar

Este misto de vontade de comprar e medo de perder a recuperação…

… levou as ações europeias a atingirem ganhos semanais saudáveis.

Já não era sem tempo: foram três semanas consecutivas de quedas.

Por ora, o mercado ganha força na divulgação de resultados que continuam a impressionar e de bons indicadores económicos.

Siga.

Pedro Gonçalves, Editor-chefe

Pedro Gonçalves foi Portfolio Manager no Millennium Investment Banking. É licenciado em Finanças pelo ISCTE – Business School e mestre em Gestão pela Universidade Católica Portuguesa. Atualmente, é editor-chefe da Empiricus Portugal.