O que aprendi com Erdogan

Eu sou um fã dos mercados emergentes. Para alguém como eu, com cerca de 25-30 anos de poupança até à reforma, é importante investir uma parcela da minha carteira nas zonas do globo com maior potencial de crescimento…

Maior Menor
Por 19 de Julho de 2016

.: Acerca do fim-de-semana
.: Não espere uma nova Turquia
.: Lições práticas
.: A fórmula que funciona
.: It’s all about politics

00:09 - Acerca do fim-de-semana

A grande notícia do fim de semana foi a tentativa de golpe de estado na Turquia.

Parece ter sido desfeiteado, com o Presidente Erdogan agora a lançar uma operação contra os militares e o sistema judiciário.

Mas o que é que isso significa para o investidor (num sentido mais amplo)?

Poderíamos tentar encaixar estes eventos numa grande narrativa global de reaparecimento do populismo, rejeição da globalização ou outra história qualquer…

Mas isso seria apenas superficial…

01:22 - Não espere uma nova Turquia

Eu não sei muito sobre a Turquia. O meu entendimento (básico, admito) é que já houve vários golpes militares ao longo dos anos… e, geralmente, são projetados para proteger o secularismo no país…

Este parece ter vindo do nada. Foi rechaçado, mas ainda ninguém saberá ao certo o resultado final.

O que é que sabemos…

Erdogan é o tipo de líder – cada vez mais autoritário, um pouco imprevisível, propenso a comentários erráticos e que fala agora em “limpeza” – que põe a maioria das pessoas nervosas.

Em suma, este é uma sacudidela na aparente estabilidade do país, em vez de um momento catártico.

Que isso é negativo para o investimento na Turquia, não há dúvidas…

02:12 - Lições práticas

Eu sou um fã dos mercados emergentes. Para alguém como eu, com cerca de 25-30 anos de poupança até à reforma, é importante investir uma parcela da minha carteira nas zonas do globo com maior potencial de crescimento…

Mas de uma forma diversificada – espalhada por vários países. E a Turquia ilustra muito bem porquê…

A clássica história de investimento da China nos anos 90 era algo como isto: “A China tem 1,3 biliões de pessoas. E se todos começarem a comprar computadores?”

Este é o “conto de fadas dos mercados emergentes” em poucas palavras:

“O que acontece se todas as pessoas que vivem nesse país atingirem um padrão de vida equivalente ao de alguém que vive na Europa ou nos EUA?”.

Essa é a premissa para investir na China, Índia, Brasil, Indonésia, Tailândia, etc. – a esperança de que um dia eles se tornem mercados desenvolvidos.

M5M190716a

03:22 - A fórmula que funciona

Assim como o euro forçou a convergência das taxas de juro dos vários países da zona do euro – porque toda a gente um dia seria igual à Alemanha (não é Portugal?)…

Também, os mercados emergentes descobriram que os países que aderiam ao capitalismo e fomentavam o livre comércio cresciam muito mais rapidamente.

Bem, é claro, não é assim tão simples… A mudança política é o mais difícil.

E ela não se move numa única direção.

Os países podem facilmente cair em desgraça. Veja o caso da Argentina, que deixou de ser rico para ser uma das piores economias do mundo (antes de Macri).

Veja o caso do Brasil… 2009, 2013, 2016…

M5M190716b

Dito isto, quando o lado político das coisas está a caminhar na direção certa – no sentido de mais liberdade, mais respeito pelos direitos de propriedade, menos corrupção – os mercados tendem a valorizar (quase ingenuamente) muito depressa.

Para mim, o ponto que os investidores podem tirar de tudo isto, é que embora seja fácil descartar a rumo político nos mercados desenvolvidos – embora não por muito tempo – repare em Portugal e na Grécia, por exemplo.

No caso dos mercados emergentes, os investidores devem estar atentos à política como um falcão!

04:10 - It’s all about politics

Nesse caso, é tudo sobre a governação – ou, pelo menos, uma grande parte é.

E é por isso que uma aposta na Turquia agora se parece muito com a lotaria.

Não é de todo claro o que vai acontecer e nem é de todo claro que o país está a ir na direção certa sob a égide de Erdogan.

A Turquia precisa de atrair capital estrangeiro – é um dos três maiores devedores dos emergentes – e se a lira continua a cair, vai acontecer o aposto, mais fuga de capitais.

O mercado acionista turco até estava a bater a média dos emergentes – em torno de 15% em comparação com 11% para o índice MSCI Emerging Markets.

M5M190716c

Gráfico da Bolsa de Istanbul – Fonte: Investing.com

Duvido que vá continuar…

Pedro Gonçalves, Editor-chefe

Pedro Gonçalves foi Portfolio Manager no Millennium Investment Banking. É licenciado em Finanças pelo ISCTE – Business School e mestre em Gestão pela Universidade Católica Portuguesa. Atualmente, é editor-chefe da Empiricus Portugal.