Para quem quer mudar a sua vida financeira

O passado não se muda. Não importa se ganhámos ou perdemos. A pergunta agora é: são as posições atuais nas quais tem mais confiança?

Maior Menor
Por 7 de Março de 2018

.: Tempos de bolsa
.: Tendência natural
.: Cliché de mercado
.: O que pode fazer
.: Novo projeto

00:12 - Tempos de bolsa

Quando trabalhava na sala de mercados havia uma expressão que repetíamos recorrentemente:

“Mais valia ‘tar quieto.”

A frase não é mais do que um trocadilho entre a palavra mais-valia, normalmente associada à realização de lucros, e a tendência natural dos investidores de materializar demasiado cedo os ganhos.

Não raras vezes, optávamos por vender os títulos com melhor desempenho, que após a venda, continuavam numa trajetória ascendente e deixávamos os maus ficar na carteira, que permaneciam em baixa.

01:33 - Tendência natural

Vários académicos debruçaram-se sobre a tendência dos investidores segurarem em demasia posições negativas, pela dificuldade em reconhecer materialmente a dor psicológica associada ao prejuízo.

Ao decidir continuar com uma ação na carteira, o sujeito abre mão da possibilidade de vendê-la e recuperar as suas perdas numa outra oportunidade.

A todo o momento, precisamos de avaliar o custo de oportunidade de não trocar uma ação por outra melhor.

A sua carteira atual é a melhor para ganhar dinheiro daqui pra frente?

O passado não se muda. Não importa se ganhámos ou perdemos. A pergunta agora é: são as posições atuais nas quais tem mais confiança?

02:01 - Cliché de mercado

O facto estilizado seria reproduzido no mercado como: buy the winners and sell the losers.

Com efeito, vários estudos académicos encontraram evidências de ações cuja performance foi boa durante um determinado período, continuavam a gerar retornos positivos nos períodos seguintes, enquanto que ações que tiveram uma performance má no passado continuavam a ter retornos negativos nos períodos seguintes.

Em resumo, isto é o investimento em momentum.

Mas também esta estratégia tem as suas fragilidades. Em momentos de forte recuperação, os títulos em maiores dificuldades são os que sobem mais.

03:04 - O que pode fazer

Claro que todas estas teses são feitas a posteriori, onde os factos já estão consumados.

No momento da decisão o investidor tem de escolher com a informação que tem disponível.

E nesse sentido existem apenas duas coisas que pode fazer:

– Comprar bons ativos abaixo do seu valor justo – como o preço é definido pelo mercado, o melhor que pode fazer é tentar adivinhar este fair value.

– Realizar pequenas apostas, assiduamente, que lhe são favoráveis e, no longo prazo, através da lei dos grandes números, lucrar com isso.

04:09 - Novo projeto

Estes dois princípios basilares estão na base do mais recente e ambicioso projeto da Empiricus.

Ao tentar transmitirmos aos leitores as ferramentas mais lucrativas do mercado, mas principalmente a terem um pensamento crítico em relação à economia e às finanças, deparamo-nos sempre com vários problemas.

Ainda que nos esforcemos em encaminhar os nossos conhecimentos através das newsletters diárias e das nossas recomendações práticas dentro dos relatórios para assinantes, acreditamos que não é suficiente.

Por isso lançamos o projeto Investidor Essencial. Se ainda não sabe do que se trata, clique aqui.

Pedro Gonçalves, Editor-chefe

Pedro Gonçalves foi Portfolio Manager no Millennium Investment Banking. É licenciado em Finanças pelo ISCTE – Business School e mestre em Gestão pela Universidade Católica Portuguesa. Atualmente, é editor-chefe da Empiricus Portugal.