Piratas das Berlengas

Se deste lado do Atlântico o discurso monetário endureceu, do outro lado suavizou…. Yellen sinalizou que a Fed não terá pressa em subir os juros enquanto a inflação se mantiver abaixo da meta pretendida.

Maior Menor
Por 13 de Julho de 2017

.: Who let the dogs out?
.: Empresas de qualidade
.: Bola de cristal
.: Não é óbvio
.: Pequena porção

00:12 - Who let the dogs out?

Se deste lado do Atlântico o discurso monetário endureceu, do outro lado suavizou….

Yellen sinalizou que a Fed não terá pressa em subir os juros enquanto a inflação se mantiver abaixo da meta pretendida.

Instintivamente, as bolsas norte-americanas dispararam em alta, com o Dow Jones a marcar novos máximos.

Palavras para quê?

Comprar bolsa passou a ser um reflexo pavloviano.

01:20 - Empresas de qualidade

Sendo assim, o investidor tem duas escolhas:

1. Compra boas empresas e tapa os ouvidos ao ruído de mercado.

2. Tenta adivinhar o que vai na cabeça dos líderes dos bancos centrais.

A primeira hipótese é, comprovadamente, a única estratégia que funciona.

A segunda exige dons de adivinhação.

02:06 - Bola de cristal

Se há um lugar no qual não pode procurar por indicações sobre a direção dos ativos financeiros, é no noticiário económico.

A missão diária do jornalismo financeiro é explicar em manchetes de sete palavras por que é que o mercado subiu ou desceu.

No entanto, a economia global é demasiado complexa para ser encaixada num discurso de 2 minutos ou num artigo de 500 palavras.

Se o mercado subir hoje, uma boa notícia será assinalada. Se cair, aponta-se para um qualquer facto negativo que aconteceu no dia.

Nenhuma prova será proporcionada para a suposta causa/efeito.

03:04 - Não é óbvio

É inegável, porém, que, aos preços atuais, não é tão óbvio comprar bolsa, principalmente no curto prazo.

Já sobe há muito tempo e de forma intensa (aliás, como acontece sempre; volto a insistir que poucos dias fazem a diferença e não há nada linear/gradual em bolsa).

Comparando com as mínimas de 2012, os valuations (avaliações de preço) realmente não parecem atrativos.

E há riscos importantes no horizonte…

Os desequilíbrios estruturais na China vão continuar para sempre ou terão de ser reconciliados? Qual é a próxima patacoada de Trump? Aliás, quem é, de facto, Donald Trump?

O Fed será mesmo tão permissivo em relação aos sinais inequívocos de aquecimento da economia dos EUA? Quando é que a banca italiana implode mesmo?

Volto a lembrar: é impossível retirar a incerteza do processo de investimento. Existirão sempre dúvidas na tomada de decisão.

Isso não significa que deve negligenciar o poder de multiplicação do mercado acionista.

04:00 - Pequena porção

O melhor de investir é que precisa apenas de entender uma pequena porção para ser um investidor bem-sucedido.

Diversificar amplamente, manter os custos baixos, reequilibrar periodicamente e ser paciente.

A paciência é mais importante do que inteligência – o que explica por que é que a maioria dos investidores não consegue os retornos que o mercado oferece desafogadamente.

Pedro Gonçalves, Editor-chefe

Pedro Gonçalves foi Portfolio Manager no Millennium Investment Banking. É licenciado em Finanças pelo ISCTE – Business School e mestre em Gestão pela Universidade Católica Portuguesa. Atualmente, é editor-chefe da Empiricus Portugal.