Pode voltar para as rabanadas

Já não estranho quando a semana ponte entre o Natal e o Ano Novo principia com noticiários esvaziados de conteúdo… A única exceção são os dados das contas públicas, que ainda tornam “alcançável” o cumprimento da meta assumida pelo Governo (2,4%).

Maior Menor
Por 26 de Dezembro de 2016

.: Last Christmas I gave you my heart
.: Remate para as nuvens
.: Mesa para 6 no Coradinho
.: Semana pré-Reveillon
.: Puxada de final de ano

00:11 - Last Christmas I gave you my heart

Sempre ouvi dizer que o excesso de açúcar pode provocar uma certa letargia.

Por isso, já não estranho quando a semana ponte entre o Natal e o Ano Novo principia com noticiários esvaziados de conteúdo…

A única exceção são os dados das contas públicas, que ainda tornam “alcançável” o cumprimento da meta assumida pelo Governo (2,4%).

O défice dos primeiros nove meses do ano caiu para 2,5% do PIB, amparado por impostos indiretos, contribuições sociais e um corte de quase 30% no investimento público!

Sim… estamos perante o maior corte na rubrica desde o 25 de abril – no mínimo curioso para um Governo que se declarava focado no crescimento.

Apesar de toda a empolgação (retórica) de quem está sentado na cadeira, Mário Centeno não tem conseguido passar a credibilidade esperada – longe disso.

last-christmas-i-gave-you-my-heart

Taxa de juros das OT a 10 anos – Fonte: Bloomberg

A evolução do custo de financiamento da República em 2016, considero eu, é autoexplicativa.

01:08 - Remate para as nuvens

Sinceramente? O Governo Costa não tem direito a prémio algum, mas também não pode se dar ao luxo de ir de férias.

Poderá cumprir o défice à custa de muito martelanço, porém Portugal continua sem um vislumbre de uma política económica.

Desenharam um pacote de medidas que visava o estímulo do consumo privado e as únicas boas notícias vieram do setor exportador…

Será que ainda temos tempo para acertar o tiro e relançar a economia?

Eu gostava de estar em primeiro para poder dizer: “Dependemos apenas de nós”.

Infelizmente, bem ao estilo lusitano, com uma economia pouco competitiva vamos estar dependentes de resultados de terceiros (leia-se, crescimento da UE).

remate-para-as-nuvens

02:13 - Mesa para 6 no Coradinho

Lá fora, os mercados europeus e americanos estão encerrados esta segunda-feira para compensar o empecilho do calendário…

O Natal calha a um domingo, folga-se na segunda…

O que pode estender o sentimento positivo aqui na Avenida…

Menos confusão à hora de almoço.

03:03 - Semana pré-Reveillon

Para esta semana espera-se que os volumes de negociação permaneçam ligeiros e, como muitos investidores já fecharam para balanço, a redução de liquidez no mercado poderá gerar um aumento da volatilidade.

Nos EUA serão divulgados os relatórios sobre a confiança do consumidor, vendas de casas e pedidos de desemprego.

Por lá, os investidores estarão focados na indicação sobre a força da economia e eventuais dicas sobre o futuro da política monetária.

No reino do Sol, os dados da inflação japonesas serão úteis para avaliar a necessidade de mais estímulos na terceira maior economia do mundo.

04:09 - Puxada de final de ano

Nos próximos dias, com o fluxo de notícias e a liquidez escassos nos mercados, fundos de investimento correm pela famosa “puxada” de final de ano.

Aos 44 minutos da segunda parte, a procura por um melhoramento nas unidades de participação antes da apuração da performance de 2016 estimula a disposição a tomar risco.

Infelizmente, é o possível rally de fim de ano que merecemos.

Pedro Gonçalves, Editor-chefe

Pedro Gonçalves foi Portfolio Manager no Millennium Investment Banking. É licenciado em Finanças pelo ISCTE – Business School e mestre em Gestão pela Universidade Católica Portuguesa. Atualmente, é editor-chefe da Empiricus Portugal.