Quando o melhor é não inventar

“Pedro, não inventes”. Este foi, provavelmente, o melhor conselho que já me deram sobre o mercado de ações. Lembro-me como se fosse hoje.

Maior Menor
Por 26 de Junho de 2017

.: O melhor conselho
.: Follow Buffett
.: Coca-Cola
.: Maestro Goizueta
.: Estratégia de Buffett

00:12 - O melhor conselho

“Pedro, não inventes”.

Este foi, provavelmente, o melhor conselho que já me deram sobre o mercado de ações.

Lembro-me como se fosse hoje. Tinha entrado há pouco tempo na sala de mercados e o meu chefe chamou-me à parte.

“Eu sei que todos os dias vais estar ansioso, como se cada segundo fosse uma oportunidade para fazer dinheiro”.

Esquece isso. Não tentes ir atrás das tendências.

Foca-te em boas empresas que sejam fáceis de entender.

01:09 - Follow Buffett

Vejo agora que o conselho decorre da mesma premissa utilizada por Warren Buffett, o maior investidor de todos os tempos.

Hoje, o seu portfólio de ações contém algumas das melhores empresas do mundo.

Por causa desta fórmula, ele evitou por completo as ações ponto-com durante a bolha dos anos 90, simplesmente porque não as entendia.

O oráculo de Omaha investe em empresas com marcas icónicas que vendem os seus produtos ao redor do mundo e são líderes nas suas indústrias.

Existem há décadas e não vão acabar em breve.

Altas margens operacionais e balanços fortes geram retornos maciços para os acionistas e continuam a crescer.

São seguras e simples.

Afinal, ele disse uma vez: “Eu tento investir em empresas que são tão maravilhosas que qualquer idiota as pode gerir.”.

Porque um dia isso acaba por acontecer.

02:05 - Coca-Cola

Veja-se a Coca-Cola, por exemplo…

A revista Forbes classifica a Coca-Cola como a quarta marca mais valiosa do planeta atrás da Apple, da Google e da Microsoft.

A Coca-Cola começou a vender refrigerantes em 1886.

Ainda vende refrigerantes hoje.

E se tivesse de apostar, punha dinheiro em como ainda vai estar a vender refrigerantes daqui a cem anos.

Mas a empresa perdeu o caminho no final da década de 1970, quando o CEO, J. Paul Austin, decidiu colocar milhões de dólares em projetos que não tinham nada a ver com o negócio fundamental da empresa, incluindo o cultivo de camarão e a vinificação.

O Conselho despediu Austin e nomeou Roberto Goizueta no início da década de 1980 para mudar as coisas e concentrar-se no negócio principal de empresa.

03:11 - Maestro Goizueta

Sob a batuta de Goizueta, a empresa voltou a focar-se naquilo que sabia fazer e Buffett começou a comprar ações.

Em 1988, ele usou mais de 1,3 biliões de dólares – cerca de metade da sua carteira de ações – para comprar 8% das ações da Coca-Cola.

Hoje possui 400 milhões de ações – um pouco mais de 9% da empresa.

A sua participação vale quase quase 17 biliões de dólares. Só no ano passado, arrecadou mais de 500 milhões em dividendos.

Isso é quase metade do que gastou para comprar a ação inicialmente.

Claro que este processo leva tempo…

Poucos investidores têm a paciência necessária para comprar estas grandes empresas como Buffett fez nos últimos 50 anos.

Não raras vezes são negócios bastante aborrecidos. A maioria dos investidores quer comprar a ação da “moda” que os especialistas dizem que vai dobrar ou triplicar durante a noite.

Buffett não faz isso e você também não deveria.

04:02 - Estratégia de Buffett

Queremos grandes empresas que tenham uma marca proeminente ou alguma outra qualidade que lhes permita dominar os seus respetivos setores.

Essas empresas têm margens saudáveis ​​e balanços sólidos e tratam bem os seus acionistas (leia-se: dividendos chorudos).

Como dissemos uma e outra vez: o segredo é comprar estes negócios quando estão baratos.

É nesse sentido que hoje lanço um alerta:

Identifiquei aquela que bem pode ser a oportunidade de uma vida para os seus investimentos. Estou a falar de rendimentos 2x, 3x e, até quem sabe, 10x superiores.

Clique aqui para ler o relatório.

Pedro Gonçalves, Editor-chefe

Pedro Gonçalves foi Portfolio Manager no Millennium Investment Banking. É licenciado em Finanças pelo ISCTE – Business School e mestre em Gestão pela Universidade Católica Portuguesa. Atualmente, é editor-chefe da Empiricus Portugal.