Relaxa camarada

António Costa critica mais o BdP que os investidores lesados no caso GES. Que ele o quer de lá para fora já todos sabíamos, que ele tem a ousadia de atacar uma instituição independente já é uma novidade.

Maior Menor
Por 18 de Fevereiro de 2016

.: Ficção científica
.: Boas novas para caloteiro
.: Tico e o teco
.: Peixeirada
.: Colin McRae dos mercados

00:10 - Ficção científica

Portugal na vanguarda do conhecimento científico…

Governo relança a hipótese de multiversos (existência de universos paralelos).

Neste universo, a Unidade Técnica de Apoio Orçamental garante que Portugal está obrigado a mais austeridade.

Num outro qualquer, o Ministro das Finanças assegura: “A austeridade entra no princípio do seu fim”.

Na sua nave Enterprise o Governo visita vários mundos simultaneamente.

– Um em que cumpre o Pacto de Estabilidade e Crescimento que prevê a redução da dívida pública a um ritmo de 1/20 por ano em 20 anos.

– Noutro em que agrada os partidos de esquerda e evita uma moção de censura.

– Ainda outro mais cáustico e desértico em que Portugal só cresce 1,8%, depois de ter abandonado um em que o PIB crescia 2,1%.

Os policias espaciais da UTAO garantem que mesmo este último é demasiado florido, o efeito negativo do último trimestre de 2015 deve baixar o crescimento do PIB para 1,6% em 2016.

efeitos

01:22 - Boas novas para caloteiro

De vez em quando os estrangeiros também são otimistas.

Não abrem tanto o sorriso como os portugueses, mas deixam mensagens positivas…

Ciaran O’Hagan, um analista da Soc Gen, fez isso mesmo.

Quando lhe perguntaram se o défice de 2,2% (em Portugal) é alcançável para 2016.

Ele respondeu: When there’s a will, there’s a way” o que em português se traduz em algo como “quando há vontade, há uma solução”.

Alguém que o avise o senhor que o nosso governo não tem vontade.

02:32 - Tico e o teco

As trapalhadas do orçamento não acabaram.

Ora não deu para incluir tudo o que os comunistas queriam.

Então, o Governo tem de agradar de alguma maneira… fazer um jeitinho.

Nesse dessentido, prepara-se para alargar a tarifa social de energia – atualmente beneficia 100 mil pessoas – para incluir todos os que estejam no 1º e 2º escalão do abono de família, tenham complemento social para idosos (CSI), pensão social de invalidez ou velhice, subsídio social de desemprego e rendimento social de inserção (RSI).

Nem vou entrar nos méritos sociais da medida. Com certeza terão.

O engraçado da proposta é que o BE (da sua torre de marfim) propõe que o custo da medida passe a ser suportado em exclusivo pelas elétricas e não pelo Estado (os contribuintes).

Isto é, os privados vão subsidiar uma medida social…

Ainda não aprenderam que quem paga são sempre os mesmos?

No final, a empresa aumenta o preço e o consumidor paga mais. Simple as that…

03:09 - Peixeirada

António Costa critica mais o BdP que os investidores lesados no caso GES.

Que ele o quer de lá para fora já todos sabíamos, que ele tem a ousadia de atacar uma instituição independente já é uma novidade.

Como o Governo não tem poderes para demitir o governador (ou qualquer outro administrador) do Banco de Portugal.

Ele tenta de outra forma, achincalhar tanto até que o próprio se demita.

A bem da independência de uma instituição quer se quer à margem de interesses políticos, espero que não lhe dê esse prazer.

Costa

04:04 - Colin McRae dos mercados

As bolsas europeias depois de rally de ontem, voltam a acelerar para novos ganhos!

Não muito expressivos: +1% no DAX, mais ou menos +0,5% para todos os outros…

Ainda têm de andar muito para ficarem positivas, mas a pista já não parece tão torta.

Até à próxima trovoada chinesa… calculo eu…

O petróleo tem se aguentado acima dos 30 dólares o barril…

E apesar de alguns resultados desapontantes no setor bancário e petrolífero…

O setor da aviação começa a mostrar o lado bom de petróleo tão barato.

A Air France-KLM beneficiou de custos mais baixos no combustível (o seu principal gasto) e voltou aos lucros. A ação dispara 9% …

A companhia alemã de aviação Lufhtansa sobe 5% por causa dos resultados da concorrente.

Bons números no setor atraem os investidores que andam à procura de empresas que saem beneficiadas desta história.

 

Pedro Gonçalves, Editor-chefe

Pedro Gonçalves foi Portfolio Manager no Millennium Investment Banking. É licenciado em Finanças pelo ISCTE – Business School e mestre em Gestão pela Universidade Católica Portuguesa. Atualmente, é editor-chefe da Empiricus Portugal.